Página Inicial / Cidade / A Chapa “Sete Lagoas No Rumo Certo” é condenada à 8 anos de inelegibilidade pela justiça eleitoral

A Chapa “Sete Lagoas No Rumo Certo” é condenada à 8 anos de inelegibilidade pela justiça eleitoral

A Justiça Eleitoral publicou nessa segunda-feira (03), a sentença proferida pelo Juiz Eleitoral, Dr. Alessandro Borges, sobre o processo de Ação de Investigação Judicial Eleitoral, referente ao ex-prefeito Márcio Reinaldo, Carol Canabrava e o ex- corregedor municipal Jansen Patrick.

 

A ação eleitoral de nº 0000519-34.2016.6.13.0263 que tramita na 263ª Zona Eleitoral de Sete Lagoas, teve origem com a divulgação da lista de supostos envolvidos em desvio na Câmara Municipal de Sete Lagoas, e por outros atos praticados pelos Investigados durante a campanha eleitoral de 2016. Na época, o então Corregedor Municipal, Jansen Patrick, convocou uma entrevista coletiva e divulgou uma lista com vários nomes, entres eles vários vereadores, causando um grande escândalo na campanha eleitoral.

Antes da publicação da referida lista a Câmara Municipal teria alertado sobre a possível divulgação da mesma, mas indiferente a tal situação o Corregedor utilizando-se de seu cargo, convocou uma entrevista com a imprensa e divulgou a lista com os nomes de diversas pessoas, entre elas, funcionários públicos e vereadores e ex-vereadores.

A Coligação Sete Lagoas Merece Respeito, composta pelos Partidos PMDB/PRB/PMN/PT do B/PSC/PHS/PTC/PEN/PSDB ajuizou a referida ação de investigação, alegando em suma que o ex-prefeito Márcio Reinaldo e os demais investigados, utilizando-se de divulgação de imagens oficiais do município no jornal editado pela sua campanha, e da divulgação de uma lista contendo o nome dos opositores integrantes da outra coligação e de seus familiares, relacionando-os à prática de crimes graves, cometeu segundo o processo, abuso de poder.

O Juiz Eleitoral da 263ª Zona Eleitoral, Dr. Alessandro Borges, julgou procedente o pedido da investigação eleitoral e condenou os Investigados declarando a inegibilidade destes, pelo prazo de oito anos subsequentes à Eleição 2016.

Em sua decisão o Dr. Alessando Borges relata que os Investigados “efetivamente praticaram abuso de poder político, pois empregaram a estrutura administrativa da Prefeitura Municipal de Sete Lagoas, especificamente da Corregedoria-Geral do Município, para dar publicidade a uma lista de pessoas supostamente envolvidas em crimes graves”, além da prática de outros atos ilegais.Por ser uma senteça de primeiro grau os Investigados ainda poderão recorrer da mesma.

 

Da redação

Sobre admin

Você pode Gostar de:

Espetáculo performático aborda cultura afro-brasileira na Temporada de Teatro

  Dentro da temática da diversidade, a 5ª Temporada de Teatro de Sete Lagoas aborda …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *