segunda-feira ,17 dezembro 2018
Página Inicial / GERAESTV / Acerto de contas amigável entre Pimentel e Temer não deverá acontecer, e poderá acabar na justiça.

Acerto de contas amigável entre Pimentel e Temer não deverá acontecer, e poderá acabar na justiça.

O governador Fernando Pimentel solicitou ao presidente Michel Temer uma data para discutir as dívidas do estado com a União. A medida, segundo ele, seria para evitar que medidas judiciais sejam tomadas em relação ao tema. A dívida deverá ultrapassar mais de R$ 135 bilhões.

Segundo o Governo de Minas, a União deve mais de R$ 135 bilhões ao estado em perdas da Lei Kandir

 

O governador de Minas, Fernando Pimentel (PT), enviou nessa quarta-feira (22) um ofício ao presidente Michel Temer (PMDB), solicitando um acerto de contas entre o Estado e a União. Na carta, Pimentel pede uma data para reiniciar uma negociação com o governo federal para extinguir as dívidas de ambos os lados, sem a necessidade de ações judiciais.

O Governo de Minas, afirma ser credor da União em cerca de R$ 135,7 bilhões, referentes a perdas com a desoneração do ICMS nas exportações de produtos primários, como café e minério. O valor é bem superior à dívida do Estado com o governo federal, que é de aproximadamente R$ 88,4 bilhões.

A desoneração foi instituída pela Lei Kandir, em 1996, e constitucionalizada em 2003, com a previsão de uma lei complementar que definisse os termos das compensações das perdas dos Estados em favor da União. Em novembro do ano passado, o Supremo Tribunal Federal (STF) deu um prazo de um ano para que o Congresso aprove a legislação. “Minas Gerais é, por igual, credor da União, já que houve reconhecimento tanto da mora legislativa quanto do direito à compensação das perdas decorrentes da desoneração de ICMS nas exportações”, diz Pimentel em ofício.

Como a decisão do Supremo não foi publicada, Minas ainda não pode cobrar a dívida e, por isso, sugere uma conciliação. “A tentativa é de resolver amigavelmente, especialmente agora que o governo federal propõe renegociar a dívida”, afirmou o advogado geral do Estado, Onofre Batista. Em calamidade financeira, Minas terminou 2016 com déficit orçamentário de R$ 4,16 bilhões.

“Esse acerto significa a recuperação da saúde, da educação e da segurança em Minas Gerais”, disse Batista, ressaltando ainda a regularização do pagamento dos salários dos servidores em parcela única, no quinto dia útil. Desde o início de 2016, a folha de pagamento tem sido escalonada.

 

PRIVATIZAÇÃO

O Estado vem rejeitando um acordo com a União como aconteceu com o Rio de Janeiro, que incluia ajuste fiscal e privatização de estatais. Em uma votação que durou menos de cinco minutos, os deputados estaduais do Rio aprovaram, no dia 20, o projeto que autoriza a privatização da companhia de água e esgoto, a CEDAE, em contrapartida ao socorro do governo federal.

“Não faz sentido privatizar empresas mineiras lucrativas para atender o desejo da União, em especial, se considerarmos que Minas Gerais é credor como está provado e comprovado em todos os cálculos de perdas da Lei Kandir”, afirmou Batista, ao afastar qualquer possibilidade de privatização de estatais, como Cemig e Copasa.

A DÍVIDA COM A UNIÃO

R$ 88,4 bi é o valor da dívida de Minas com a União

R$ 135,7 bi é o crédito que o Estado diz ter a receber da União

R$ 1,6 bi do Fundef é o que a União deve pagar a Minas

Sobre admin

Você pode Gostar de:

INDIGNAÇÃO POPULAR – 46 deputados mineiros votaram à favor do auxílio-saúde de 2.500 reais para membros do MP

Mesmo com a pressão popular, 46 deputados aprovaram, em segundo turno, o projeto que garante …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *