Ultimas Noticias
Página Inicial / GERAESTV / Achatando a curva do Coronavírus: o que significa e como você pode ajudar

Achatando a curva do Coronavírus: o que significa e como você pode ajudar

 

ANN ARBOR—Cruzeiros e vôos cancelados. Faculdades e universidades enviando estudantes para casa para assistir aulas online. Fechamento de escolas públicas. Escritórios pedindo às pessoas que se comuniquem. Concertos, desfiles, festivais e eventos esportivos adiados.

Tudo isso é realmente necessário devido ao coronavírus? As autoridades de saúde pública estão exagerando na ameaça representada pelo vírus que causa a doença COVID-19?

É absolutamente necessário, porque funcionou no passado, diz o historiador médico Howard Markel, especialista da Universidade de Michigan que estudou os efeitos de respostas semelhantes a epidemias passadas.

“Um surto em qualquer lugar pode ir a qualquer lugar,” diz ele. E agora, “Todos nós precisamos nos empenhar para tentar evitar casos em nossas comunidades.”

É o chamado “achatar a curva”, um termo que as autoridades de saúde pública usam o tempo todo, mas que muitas pessoas ouviram pela primeira vez nesta semana.

Que curva? E por que esse é o melhor plano?

Se você observar a imagem acima, poderá ver duas curvas – duas versões diferentes do que pode acontecer nos Estados Unidos (ou outra região que detecta os primeiros casos), dependendo das próximas etapas.

A curva alta e fina é ruim—significa que muitas pessoas ficam doentes de uma só vez, em um curto período de tempo, porque não tomamos medidas suficientes para impedir que o vírus se espalhe de pessoa para pessoa.

A maioria das pessoas não fica doente o suficiente para precisar de um hospital. Mas aqueles que o fazem podem sobrecarregar o número de leitos e equipes de atendimento que os hospitais de nosso país têm disponível.

Afinal, assinala Markel, muitos pronto-socorros e hospitais já operam perto da capacidade em um bom dia, sem coronavírus. Adicionar um pico acentuado a esse tráfego com pacientes com COVID-19 pode significar que algumas pessoas não vão receber os cuidados de que precisam, com ou sem coronavírus.

A curva mais plana e mais baixa é melhor—mas será necessário trabalhar em conjunto para que isso aconteça, diz Markel, que é o diretor do Centro de História da Medicina da U-M.

Ele e seus colaboradores estudaram os efeitos dos esforços para impedir a propagação da pandemia de gripe de 1918 e, mais recentemente, da epidemia de gripe H1N1 em 2009.

O achatamento ajuda a todos

Se indivíduos e comunidades tomarem medidas para retardar a propagação do vírus, isso significa que o número de casos de COVID-19 se estenderá por um longo período de tempo. Como mostra a curva, o número de casos em um determinado momento não ultrapassa a linha pontilhada da capacidade do sistema de saúde de nosso país para ajudar todos os que estão muito doentes.

“Se você não tem tantos casos chegando aos hospitais e clínicas de uma só vez, pode realmente diminuir o número total de mortes pelo vírus e por outras causas,” diz ele. “E, mais importante, ganha tempo para cientistas das universidades e do governo, e para a indústria, criar novas terapias, medicamentos e potencialmente uma vacina.”

Outro fator importante a ser considerado: os médicos, enfermeiros, farmacêuticos, técnicos e muitos outros funcionários que realmente trabalham na área da saúde. Quanto mais casos de COVID-19 houver em um determinado momento, maior a probabilidade de alguns deles serem contagiados, seja na comunidade ou no trabalho. Quando estão doentes, precisam ficar longe dos pacientes por semanas. O que significa menos pessoas para cuidar dos pacientes que precisam de cuidados.

Em resumo

Cancelar, adiar ou mudar nosso trabalho, educação e lazer para o modo online, pode ser inconveniente, irritante e decepcionante.

Mas os hospitais precisam ter espaço, suprimentos e equipe suficientes para atender aqueles que precisam de atendimento em nível hospitalar—seja para o coronavírus, ataque cardíaco, acidente de carro ou parto. É por isso que é importante ouvir as autoridades e líderes de saúde pública quando eles dizem que é hora de mudar a maneira como vivemos nossas vidas temporariamente.

“O coronavírus é uma doença transmitida socialmente e todos temos um contrato social para detê-la,” diz Markel. “O que nos une é um micróbio—mas também tem o poder de nos separar. Somos uma comunidade muito pequena, reconhecemos ou não, e isso prova isso. A hora de agir como uma comunidade é agora.”

Sobre admin

Você pode Gostar de:

DINHEIRO À VONTADE – Deputados mineiros gastam quase R$ 1 milhão com verba indenizatória em plena pandemia

O deputado Douglas Melo (MDB) e mais 15 outros parlamentares  não atualizaram os gastos do …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 − três =