Ultimas Noticias
Página Inicial / GERAESTV / BOM SENSO DE ALGUNS PARLAMENTARES – 33 deputados da ALMG mantém veto ao reajuste dos servidores da segurança

BOM SENSO DE ALGUNS PARLAMENTARES – 33 deputados da ALMG mantém veto ao reajuste dos servidores da segurança

A votação foi apertada: trinta e cinco deputados votaram pela derrubada. Eram necessários 39 votos.

Plenário da ALMG
Plenário da Assembleia Legislativa de Minas Gerais      Foto: Flávia Bernardo/ALMG

A Assembleia Legislativa de Minas Gerais decidiu pela manutenção do veto do governador Romeu Zema (Novo) ao reajuste das forças da segurança para 2021 e 2022, para os professores e outras treze carreiras do Estado.

Trinta e cinco deputados votaram pela derrubada do veto e 33 pela manutenção da decisão do governador. Eram necessários 39 votos para a derrubada do veto.

O secretário de governo, Igor Eto, considerou que o resultado não é apenas uma vitória do governo, mas sim de Minas Gerais.

“É uma demonstração de muita consciência e compreensão dos parlamentares com o momento que Minas Gerais está passando. A gente já tinha uma situação fiscal muito agravada e com a pandemia do coronavírus piorou drasticamente”, disse.

Já o deputado Sargento Rodrigues (PTB) lamentou o resultado:

“É com enorme tristeza que vemos que a gente precisava apenas 4 votos para derrubar o veto”, disse o deputado Sargento Rodrigues (PTB). Ele agradeceu nominalmente a cada deputado que votou pela derrubada do veto. “Queria agradecer aqui a coragem desses parlamentares de dizer não”, disse.

O deputado questionou o posicionamento do líder do bloco governista, Gustavo Valadares (PSDB). Quando o governador Romeu Zema (Novo) vetou o reajuste que ele mesmo havia proposto, Valadares publicou em uma rede social que era “o início do fim”. Nesta quarta-feira, 17, ele foi designado relator da matéria e emitiu parecer pela manutenção do veto.

Em resposta, Valadares disse que desde a aprovação do projeto, no final de fevereiro, “muita coisa mudou”, em referência à chegada da pandemia do novo coronavírus e da consequente queda de arrecadação de Minas Gerais em 2020, que deve superar os R$ 7 bilhões.

“É justíssimo e legítimo o que fazem os deputados ligados à segurança pública e os deputados que defendem outras categorias de servidores do Estado. Mas quando eu falei de fevereiro foi para dizer e trazer conforto aos deputados que hoje entendem que Minas Gerais, por conta da queda absurda de arrecadação, não suportaria um impacto de mais de R$ 20 bilhões nas suas contas pelos próximos três anos. Por conta disso, eu mudei minha opinião e hoje voto pela manutenção do veto”, disse.

Durante a análise do veto, o deputado Sargento Rodrigues (PTB) também mencionou por diversas vezes a atuação do secretário de Governo, Igor Eto, que, segundo ele, ligou para os deputados e foi presencialmente à ALMG para garantir os votos necessários à manutenção do veto.

Questionado, Igor Eto disse que a função do secretário de Governo é a articulação política e o contato constante com os parlamentares. “Estranho seria se não tivesse contato com nenhum parlamentar”, disse o secretário.

Entenda

No início de fevereiro, o governador Romeu Zema (Novo) enviou à ALMG o projeto prevendo o reajuste para forças da segurança em 2020, 2021 e 2022. Durante a tramitação, os deputados estaduais estenderam o reajuste para os professores e outras treze categorias do Estado.

Em março, Zema sancionou o reajuste de 13% para as forças de segurança a partir de julho de 2020, mas vetou os reajustes que ele próprio havia proposto para os anos de 2021 e 2022 e os demais reajustes incluídos pelos deputados.

O veto provocou uma crise dentro do governo e também no relacionamento com a ALMG. O então secretário de Governo, Bilac Pinto, pediu demissão. O líder do governo na Assembleia, o deputado Luiz Humberto Carneiro (PSDB) disse que não tinha mais condições de continuar e deixou o cargo, que está vago até hoje. Os dois participaram das negociações que resultaram no acordo com representantes da segurança do reajuste escalonado em três anos, que acabou sendo vetado pelo governador.

Como justificativa, Zema disse que a Secretaria de Planejamento e Gestão havia estimado o impacto do projeto com base na previsão de crescimento da União de 2,32% neste ano.

“De acordo com o relatório Focus, divulgado nesta segunda-feira, 9 de março, pelo Banco Central, essa projeção passou para 1,99%, razão pela qual a retomada mais lenta da economia deve comprometer as receitas e levar o Poder Executivo a bloquear despesas no orçamento”, explicou o governador.

Zema também vetou o reajuste das categorias que foram incluídas pelos deputados. Neste caso, a justificativa foi de que era inconstitucional aumentar despesas em projetos de iniciativa do governador sem que comprove a existência de receita para arcar com os novos gastos. O impacto projetado seria de R$ 20 bilhões em três anos.

Deputados que votaram pela derrubada do veto:

Ana Paula Siqueira (Rede)

André Quintão (PT)

Andréia de Jesus (PSOL)

Beatriz Cerqueira (PT)

Betão (PT)

Bruno Engler (PRTB)

Celinho Sintrocel (PCdoB)

Cleitinho Azevedo (Cidadania)

Coronel Sandro (PSL)

Cristiano Silveira (PT)

Delegada Sheila (PSL)

Delegado Heli Grilo (PSL)

Douglas Melo (MDB)

Doutor Jean Freire (PT)

Doutor Paulo (Patriota)

Duarte Bechir (PSD)

Elismar Prado (PROS)

Fernando Pacheco (PV)

Gustavo Santana (PL)

Ione Pinheiro (DEM)

João Leite (PSDB)

João Vítor Xavier (Cidadania)

Leandro Genaro (PSD)

Leninha (PT)

Léo Portela (PL)

Marília Campos (PT)

Marquinho Lemos (PT)

Mauro Tramonte (Republicanos)

Osvaldo Lopes (PSD)

Professor Irineu (PSL)

Professor Wendel Mesquita (Solidariedade)

Repórter Rafael Martins (PSD)

Rosângela Reis (PODE)

Sargento Rodrigues (PTB)

Ulysses Gomes (PT)

 

Votaram pela manutenção do veto:

Alencar da Silveira Jr. (PDT)

Antonio Carlos Arantes (PSDB)

Arlen Santiago (PTB)

Bartô (Novo)

Betinho Pinto Coelho (Solidariedade)

Braulio Braz (PTB)

Carlos Henrique (Republicanos)

Carlos Pimenta (PDT)

Celise Laviola (MDB)

Charles Santos (Republicanos)

Coronel Henrique (PSL)

Dalmo Ribeiro (PSDB)

Doorgal Andrada (Patriota)

Gil Pereira (PSD)

Glaycon Franco (PV)

Guilherme da Cunha (Novo)

Gustavo Mitre (PSC)

Gustavo Valadares (PSDB)

Hely Tarqüínio (PV)

Inácio Franco (PV)

João Magalhães (MDB)

Laura Serrano (Novo)

Leonídio Bouças (MDB)

Neilando Pimenta (PODE)

Professor Cleiton (PSB)

Raul Belém (PSC)

Roberto Andrade (Avante)

Sávio Souza Cruz (MDB)

Tadeu Martins Leite (MDB)

Thiago Cota (MDB)

Tito Torres (PSDB)

Zé Guilherme (PP)

Zé Reis (PODE)

 

Abstenção:

Bosco (Avante)

Cássio Soares (PSD)

Virgílio Guimarães (PT)

 

Não votaram porque não estavam presentes:

Doutor Wilson Batista (PSD)

Fábio Avelar (Avante)

Luiz Humberto Carneiro (PSDB)

Mário Henrique Caixa (PV)

Noraldino Júnior (PSC)

Sobre admin

Você pode Gostar de:

Com recursos da União e nova licitação, ETE de Sete Lagoas deverá ser concluída até abril de 2022

O contrato de 70 Milhões foi assinado em Junho de 2014, entre o prefeito Márcio …

7 Comentarios

  1. whoah this blog is excellent i like reading your articles.
    Keep up the good work! You realize, lots of people are hunting round
    for this information, you can aid them greatly.

  2. Ridiculous quest there. What happened after? Take care!

  3. I really like your blog.. very nice colors & theme. Did you make this website yourself
    or did you hire someone to do it for you? Plz reply as I’m looking
    to construct my own blog and would like to know where u got
    this from. thank you

  4. My coder is trying to convince me to move to .net from PHP.
    I have always disliked the idea because of the costs. But he’s tryiong none the
    less. I’ve been using Movable-type on a variety of websites for
    about a year and am worried about switching to another platform.
    I have heard good things about blogengine.net.

    Is there a way I can transfer all my wordpress posts into it?

    Any help would be greatly appreciated!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 + três =