terça-feira ,18 dezembro 2018
Página Inicial / Cidade / Centro de Referência da Pessoa Idosa “Dona Dochinha”, já é realidade em Sete Lagoas

Centro de Referência da Pessoa Idosa “Dona Dochinha”, já é realidade em Sete Lagoas

Integrantes do Grupo de Convivência “Dona Dochinha”  discutem a criação do Centro de Referência do Idoso em Sete Lagoas
Em abril de 2014, Sete Lagoas dava adeus a Alexandrina de Souza Dayrell, a Dona Dochinha, fundadora do grupo de convivência de mesmo nome que apoia idosos de baixa renda surgido em 1986. Por sua obra, Dona Dochinha conquistou reconhecimento em nível nacional quando venceu o prêmio “Talentos da Maturidade”, promovido na época pelo Banco Real. Nascida em Jequitaí em 1917 mas sete-lagoana de coração e cidadã honorária, entendeu que era preciso fazer algo a mais pela sociedade quando despertou para o trabalho social voltado para a terceira idade.
Após sua partida, apesar de muitas dificuldades, o grupo conseguiu manter suas atividades e uma participação de 50 idosas e quatro idosos entre 60 e 85 anos, por meio de parceria com a Prefeitura Municipal de Sete Lagoas via Secretaria Municipal de Assistência Social.
“Dona Dochinha”, carinhosamente como era conhecida,dedicou toda a sua vida pela causa do idoso.
Para marcar seus 31 anos de fundação, o Grupo de Convivência Dona Dochinha assinou em abril deste ano um comodato com o Instituto Jurídico para Efetivação da Cidadania (Ijuci), cuja proposta é a criação do Centro de Referência da Pessoa Idosa Dona Dochinha, funcionando na sede da Associação (Rua Bambuí, 335, Bairro Vale das Palmeiras). O comodato e um convênio em parceria com o Rotary Sete Lagoas para a criação do “Projeto Estante Livre” serão assinados na próxima terça-feira, 27, no auditório anexo do Unifemm, às 14h.
Estante Livre
O projeto incentiva a leitura de idosos por meio da troca, empréstimo e doação de livros. Durante o evento, serão entregues as estantes e livros que serão distribuídos em todos os Centros de Referência da Assistência Social (CRAS) da cidade, no Projeto Acolher, na sede do Grupo Dona Dochinha e também no Serviço de Proteção ao Menor e à Familia (Serpaf). “Haverá uma rotatividade de livros de acordo com a demanda”, comenta a assessora técnica do Grupo Dona Dochinha, Isabel Izilda Newton de Azevedo.
Centro de Referência
“Criar o Centro de Referência da Pessoa Idosa é uma demanda apontada nas últimas duas conferências sobre o tema realizadas em Sete Lagoas”, diz Isabel Azevedo. A proposta do Centro contempla o Plano Nacional de Desenvolvimento Humano (PNDH3, Decreto 7.037, de 21 de dezembro de 2009).
A presidente da Associação Grupo de Convivência Dona Dochinha, Dilza Mara Dayrell Rocha, revela que o Centro de Referência do Idoso irá atender a toda a população idosa de Sete Lagoas, não apenas aos de baixa renda, além de contar com o apoio do Ministério Público. “Esses centros de referência estão sendo criados em várias cidades e Sete Lagoas é uma das primeiras do país a ter um. É a ampliação do legado de Dona Dochinha”, comemora.
 O funcionamento do Centro de Referência ao Idoso
Em Sete Lagoas o Centro de Referência do Idoso irá trabalhar em rede com ONGs, centros de Saúde, conselhos municipais de saúde, assistência social e do idoso, além de centros de referência da saúde e da assistência social. “Dentro de 90 dias vamos anunciar o plano de atividades do Centro com as demandas voltadas para Sete Lagoas. Um grupo de trabalho será formado para isso. As ações envolverão saúde, cultura, esporte e assistência social”, adianta Izabel.
Segundo a presidente do Ijuci Viviane Tompe Souza Mayrink, que também é advogada e professora do Unifemm, com a criação do Centro de Referência do Idoso, a cidade receberá um espaço onde as pessoas idosas que são vítimas de violação de direitos poderão ser acompanhadas, tanto no atendimento jurídico quanto no atendimento psicológico e de serviço social. “O Ijuci já possui uma experiência em atendimento jurídico e psicossocial de crianças, adolescentes e mulheres em situação de vulnerabilidade social para a promoção e proteção de direitos. Portanto, temos uma metodologia de ação, uma forma de fazer”, diz a advogada. “Além disso, Sete Lagoas possui um nível de violência contra o idoso considerável”, continua.
Atualmente a Associação Grupo de Convivência Dona Dochinha está em fase de ampliação de seus programas “Aprendendo a Envelhecer” e “Projeto Intergeracional de Convivência” (PIC) – uma proposta de capilarização dos serviços de convivência dos CRAS de Sete Lagoas, em parceria com o Serpaf.

Sobre admin

Você pode Gostar de:

Sete Lagoas receberá uma ZPE-Zona de Processamento de Exportação que ligará ao Porto no ES

A Associação Comercial e Industrial de Sete Lagoas apresentou na quinta-feira (06), apresentou ao Poder …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *