segunda-feira ,26 outubro 2020
Ultimas Noticias
Página Inicial / GERAESTV / CPI mista de Brumadinho é barrada por senador financiado por executivo da mineração

CPI mista de Brumadinho é barrada por senador financiado por executivo da mineração

A bancada mineira enfrenta resistência no Senado para viabilizar uma comissão mista de investigação dos responsáveis pela tragédia de Brumadinho.

Segundo matéria publicada na Folha, a bancada mineira enfrenta resistência no Senado para viabilizar uma comissão mista de investigação dos responsáveis pela tragédia de Brumadinho.

A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI), com Câmara e Senado, reuniria as diversas propostas de CPI das duas Casas, otimizando os trabalhos.

“Está descartada a formação de CPI mista”, anunciou nesta quarta (27) o deputado federal Zé Silva (SD-MG), lendo em voz alta a mensagem vinda do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), recebida por ele por Whatsapp.

O recado interrompeu a audiência pública da comissão externa sobre a tragédia de Brumadinha na Câmara, que contava com apresentação do relatório sobre a contaminação do rio Paraopeba, e gerou reações.

“Pizza de cromo e manganês não nos interessa”, criticou o deputado Julio Delgado (PSB-MG), relator da comissão externa, sugerindo que a CPI no Senado, proposta pelo senador Carlos Viana (PSD-MG), estaria destinada a não produzir resultados.

Rio Paraopeba está totalmente contaminado com metais pesados vindo da lama do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho.

“É inaceitável que o presidente do Senado não se comprometa com isso [CPI mista] por conta de uma divergência interna. Qual o temor de uma CPI?”, questionou a deputada Áurea Carolina (PSOL-MG).

A barreira ao trabalho conjunto entre Câmara e Senado já vinha sendo imposta abertamente pelo senador Carlos Viana (PSD-MG). Único entre os 56 parlamentares mineiros que não apóia a CPI mista, Viana propôs uma CPI sobre Brumadinho no Senado.

Na terça (26), ele discutiu com o deputado André Janones (Avante-MG) e recusou a oferta de ocupar um cargo de presidência ou relatoria em uma CPI mista. Parlamentares da bancada mineira entenderam a recusa como uma aposta de Viana no controle total de uma CPI no Senado. Durante a discussão, Viana argumentou que o Senado teria mais condições de fazer um trabalho célere do que uma comissão mista.

A tentativa de negociação aconteceu, de acordo com Janones, após o presidente do Senado ter concordado com a CPI mista e recomendado que a bancada mineira buscasse convencer Viana.

Na campanha que o elegeu para o Senado, Viana recebeu uma doação de R$ 100 mil do advogado Luís Fernando Franceschini da Rosa, executivo ligado ao ramo da mineração e que aparece como sócio de três empresas atuantes na Mina da Feijão, local da barragem que rompeu em Brumadinho. As empresas são Neometal Brumadinho, Greenmetal Brumadinho Processamentos Sustentáveis e Green Metals Brumadinho Soluções Ambientais.

Em nota, o senador diz que a doação foi viabilizada pelo PHS (partido pelo qual se elegeu) e que ele não conhecia a ligação do doador com mineradoras. O deputado Marcelo Aro (PHS-MG), presidente do partido até o ano passado, nega que a doação tenha sido articulada pelo partido.

Na Câmara, o requerimento dos deputados mineiros para a CPI mista foi apresentado à mesa diretora no início de fevereiro. Segundo o deputado Rogério Correia (PT-MG), o grupo negocia com a presidência da casa legislativa para que a instalação da CPI seja uma prioridade anterior à votação da reforma da previdência.

Sobre admin

Você pode Gostar de:

Bolsonaro quer acabar com o programa Farmácia Popular

Ministro da Economia, Paulo Guedes estuda extinguir com o programa Farmácia Popular. O ministro da …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze − seis =