Ultimas Noticias
Página Inicial / Cidade / Drogaria Araújo foi multada em 7 milhões de reais por capturar CPF de clientes

Drogaria Araújo foi multada em 7 milhões de reais por capturar CPF de clientes

A drogaria Araújo foi condenada a pagar uma multa de R$ 7.930.801,72 por condicionar descontos ao fornecimento do CPF do consumidor no ato da compra, sem oferecer informação clara e adequada sobre abertura de cadastro do consumidor.

A decisão condenatória é do Programa Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon), do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), e ocorreu após investigação dos fatos e recusa da empresa em ajustar a conduta.

De acordo com o Código de Defesa do Consumidor, a abertura de cadastro, ficha, registro e dados pessoais e de consumo deverá ser comunicada por escrito ao consumidor, quando não solicitada por ele.

Em processo administrativo, o promotor de Justiça de Defesa do Consumidor de Belo Horizonte Fernando Ferreira Abreu concluiu que “o escopo principal do suposto programa de fidelidade é o de captar e capturar os CPFs dos consumidor e não desenvolver, em si, um programa de vantagens ou fidelidade”, o que configura prática abusiva, pois a concessão de descontos não pode estar condicionada ao fornecimento de dados pessoais.

O promotor ainda destacou que as palavras “capturar” e “captar” os CPFs dos consumidores constam inclusive de documentos internos da empresa.

Na decisão condenatória, o órgão de defesa do consumidor questiona ainda a segurança das informações e o sigilo dos bancos de dados, já que a realização do cadastro pode ser feita com qualquer CPF válido.

O promotor salienta, na decisão, que os sistemas de segurança, por mais avançados que sejam, são vulneráveis e não estão livres de ataques, como já ocorreu com grandes empresas do mundo inteiro e com governos de vários países.

Segundo Abreu, o consumidor é o mais vulnerável, “especialmente aquele que teve seu cadastro efetuado com a simples inserção de seu CPF e desconhece que seus hábitos de consumo e histórico de aquisição de medicamentos e produtos estão sendo armazenados”.

Na decisão, ele explica que “a captura constante dos hábitos de consumo do consumidor de forma oculta e sem informação prévia representa severo risco à intimidade e vida privada do consumidor, além de sujeitá-lo a riscos das mais variadas espécies”.

Em caso de vazamento de dados, os registros de aquisição de medicamentos, por exemplo, podem ser utilizados por uma operadora de plano de saúde ou seguradora para negar cobertura, seguro ou indenização.

A drogaria Araújo tem o prazo de dez dias, a partir da data de recebimento da notificação, para apresentar recurso ao Procon.

​A drogaria Araújo declarou também “que irá recorrer da decisão do MP, tão logo seja notificada”.

Sobre admin

Você pode Gostar de:

Bolsonaro quer acabar com o programa Farmácia Popular

Ministro da Economia, Paulo Guedes estuda extinguir com o programa Farmácia Popular. O ministro da …

16 Comentarios

  1. hello there and thank you for your info – I have definitely picked
    up anything new from right here. I did however expertise a few technical points using this site, as
    I experienced to reload the site many times previous to I could get
    it to load properly. I had been wondering if
    your hosting is OK? Not that I’m complaining, but slow loading instances times will sometimes affect your placement in google and can damage your high-quality
    score if ads and marketing with Adwords. Well I am adding this RSS to my email and could look out for a lot more of your respective fascinating content.
    Make sure you update this again soon. https://www.azhydroxychloroquine.com/

  1. Para Trás: sex

  2. Para Trás: w88

  3. Para Trás: sildenafil 100mg for sale

  4. Para Trás: https://app-bitcoinloophole.com/

  5. Para Trás: immediate edge reviews

  6. Para Trás: Parrots for Sale

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 − dois =