Página Inicial / Cidade / Enquanto a febre amarela dá trégua, chikungunya dispara em Minas

Enquanto a febre amarela dá trégua, chikungunya dispara em Minas

 

Há oito dias sem nenhum novo registro feito pela Secretaria de Estado de Saúde (SES), o surto de febre amarela dá sinais de perder força em Minas. Mas agora a doença da vez é a chikungunya, que já se alastrou por mais de  126 municípios mineiros, o equivalente a aproximadamente 15% do total. Enquanto autoridades de saúde comemoravam a trégua no surto de uma virose, em apenas uma semana mais de mil novas notificações da outra eram registradas, chegando à marca de 4.900 pacientes com contaminação provável pela febre em território mineiro, que, desde 2014, quando a enfermidade apareceu, nunca havia contabilizado óbitos e agora investiga duas mortes suspeitas.

Entre os sintomas da doença – uma das transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti – estão febre, dores de cabeça, dores fortes nas articulações, que podem durar meses, erupções na pele e enjoos. A velocidade de avanço no número de casos é assustadora quando se compara com os registros dos últimos anos. Nos 12 meses de 2016, Minas teve 500 casos prováveis de chikungunya, nove vezes menos que neste início de ano. Em 2015, houve apenas 31 notificações, e, em 2014, foram só 18.

A escalada da chikungunya começou em janeiro, com 706 casos suspeitos. No mês seguinte, o número já era quatro vezes maior: em apenas 28 dias, foram computadas 2.826 notificações. Neste mês, até o dia 27, a Secretaria de Estado da Saúde registrou 1.320 casos prováveis. A alta era prevista pelas autoridades sanitárias, devido ao pequeno número de pessoas que já tinham desenvolvido resistência diante da enfermidade.

A grande preocupação de especialistas agora é com cidades do Leste de Minas Gerais. Governador Valadares lidera o número de notificações da doença, com 3.074. Em seguida, vêm Teófilo Otoni (651), Conselheiro Pena (308), Aimorés (174) e Medina (106), todas na porção oriental do estado. Diante do quadro, a Secretaria de Saúde promoveu seminário com médicos e profissionais que fazem parte do SUS nos 51 municípios da área da Regional de Governador Valadares, com a meta de informar sobre cuidados com a enfermidade.

Sobre admin

Você pode Gostar de:

Espetáculo performático aborda cultura afro-brasileira na Temporada de Teatro

  Dentro da temática da diversidade, a 5ª Temporada de Teatro de Sete Lagoas aborda …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *