segunda-feira ,28 setembro 2020
Ultimas Noticias
Página Inicial / Economia / Governo de Minas não tem dinheiro para pagar o 13º

Governo de Minas não tem dinheiro para pagar o 13º

O secretário de Fazenda de Minas Gerais, José Afonso Bicalho, declarou que o governo do Estado ainda não tem recursos para pagar o 13º salário dos servidores públicos. Durante apresentação do relatório de gestão fiscal do segundo quadrimestre de 2017, que apontou uma queda de 42,40% no déficit em relação ao mesmo período do ano passado, Bicalho disse também que não há previsão para o fim do escalonamento da folha.

O secretário explicou que, apesar da redução do déficit do governo exibido no relatório, a situação do Estado ainda é muito grave em razão da crise econômica, do déficit acumulado e da falta de repasses do governo federal. “É uma situação muito complicada, porque o déficit acumula-se através de restos a pagar em atraso, fornecedor em atraso então, essa é a grande dificuldade”, afirmou.

Sobre o pagamento do 13º salário, o secretário disse ainda não saber de onde virá o recurso, mas garantiu ter em vista a possibilidade de securitizar, ou seja, antecipar, por meio de instituições financeiras, a quantia a receber do programa Novo Regularize, que reduziu multas e juros de débitos de impostos e taxas. A expectativa do governo é arrecadar, pelo programa, cerca de R$ 4 bilhões. Segundo o secretário, R$ 1 bilhão já foram arrecadados à vista e outros R$ 3 bilhões deverão entrar no caixa do governo nos próximos 60 meses.

“Estamos providenciando, principalmente através do Novo Regularize, acredito que até o final de novembro e início de dezembro já tenhamos esse equacionamento”, contou. Bicalho não soube responder se o benefício natalino será parcelado ou não.

E não é só o 13º salário que pode depender da recuperação de débitos. De acordo com o secretário, o destino prioritário do montante arrecadado pelo programa será a saúde, área que ele considera, atualmente, o problema mais grave do Estado. Uma das razões para isso, segundo Bicalho, é a diminuição dos repasses da União para o Estado no setor neste ano.

“O déficit é maior com a saúde, por isso a nossa prioridade com o Novo Regularize é essa área, principalmente em relação a setores que cuidam da questão de remédio e das instituições que prestam serviço à saúde. A nossa ideia é que, com essa melhoria de receita que estamos esperando por meio do programa, nós consigamos colocar mais apoio na saúde”, afirmou.

Em entrevista coletiva depois da apresentação do relatório, o secretário afirmou que o maior problema das contas do Estado é a folha de pagamento dos inativos. “O nosso principal gargalo é a Previdência. Do segundo quadrimestre de 2016 para o de 2017, por exemplo, o aumento do aporte do Estado foi quase 100%”, afirma.

Resultado fiscal. Durante o evento, o governo anunciou que, de janeiro a agosto, a receita total registrada foi de R$ 57,382 bilhões, contra uma despesa empenhada de R$ 59,523 bilhões, resultando no déficit de R$ 2,141 bilhões. No segundo quadrimestre de 2016, as despesas empenhadas superaram a receita em R$ 3,717 bilhões.

Segundo o secretário de Fazenda, o principal fator para a redução do déficit foi o crescimento da receita tributária em 8,6% (de R$ 35,397 bilhões no segundo quadrimestre de 2016 para R$ 38,443 bilhões, em 2017). “Nós temos atuado junto aos empresários para que aumentem as atividades no Estado e temos tornado o ambiente de negócio em Minas Gerais melhor do que no resto do país. Por isso, estamos tendo uma melhora na atividade econômica, tanto que somos o Estado que mais tem gerado emprego nos últimos meses. Com isso, nossa receita própria aumentou”, afirmou.

Problema. José Afonso Bicalho disse que, apesar de ter reduzido o déficit em R$ 4 bilhões nos últimos dois anos, o valor acumulado que o governo tem que pagar é de R$ 21 bilhões: “A questão orçamentária nós estamos conseguindo resolver no ano. Agora, o motivo dessa dificuldade financeira é o déficit dos anos anteriores”.

Índices. Depois de dois quadrimestres consecutivos com a despesa acima da meta estabelecida pela Lei de Responsabilidade Fiscal, atualmente o gasto com a folha é de 48%: abaixo do teto, que é 49%, mas superior ao prudencial, que é de 46%. Por esse motivo, o governo não pode aumentar salários nem contratar mais pessoal.

RESULTADO FISCAL

R$ 57,3 bi foi a receita total do segundo quadrimestre

12,08% foi a elevação em relação ao mesmo período de 2016

R$ 59,5 bi foi a despesa empenhada no segundo quadrimestre

8,39% foi o aumento em relação ao mesmo período de 2016

R$ 2,1 bi é o déficit registrado só no segundo quadrimestre

42,40% foi a redução do déficit em relação ao período em 2016

Datas. O governo divulgou as datas de pagamento do salário no mês de outubro. A primeira parcela será creditada no dia 11, a segunda, no dia 20, e a terceira, no dia 30.

Sobre admin

Você pode Gostar de:

Com recursos da União e nova licitação, ETE de Sete Lagoas deverá ser concluída até abril de 2022

O contrato de 70 Milhões foi assinado em Junho de 2014, entre o prefeito Márcio …

9 Comentarios

  1. Article writing is also a excitement, if you be
    acquainted with after that you can write or else it is difficult to write.

  2. It’s a shame you don’t have a donate button! I’d certainly donate to this outstanding
    blog! I guess for now i’ll settle for bookmarking and adding your RSS feed to my
    Google account. I look forward to brand new updates
    and will share this site with my Facebook group.
    Talk soon! y2yxvvfw cheap flights

  3. Your means of telling all in this piece of writing is truly
    fastidious, all be capable of simply understand it, Thanks a lot.

  4. It’s going to be ending of mine day, except before ending I am reading this great paragraph to
    increase my know-how.

  1. Para Trás: generic viagra 200 mg india

  2. Para Trás: viagra by mail safely

  3. Para Trás: viagra buy

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − 9 =