Página Inicial / GERAESTV / Governo de Pimentel usou apenas 1% na atenção básica de saúde

Governo de Pimentel usou apenas 1% na atenção básica de saúde

O Governo de Minas dispensou apenas 1% do recurso para a atenção básica à saúde, considerada fundamental. As áreas de urgência e emergência foram priorizadas, mas, ainda assim, receberam apenas 11% do crédito autorizado pelo Governo do Estado.

No total gastos em saúde, apenas 18% dos recursos autorizados pelo Estado para a saúde em Minas Gerais foram efetivamente pagos neste ano.  Os números foram apresentados nessa quarta-feira (11), em prestação de contas realizada na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

Dos R$ 5,8 bilhões, 59% foram empenhados (reservados no Orçamento). No entanto, apenas R$ 1,04 bilhão foram quitados. Ações como o apoio e fortalecimento da rede de cuidado à pessoa com deficiência, promoção à saúde e atenção bucal não receberam investimento. “São escolhas difíceis, mas a gente precisa escolher onde vai colocar o financeiro que chega”, afirmou a assessora-chefe de Planejamento da Secretaria de Estado de Saúde (SES), Poliana Cardoso, à rádio Assembleia.

O especialista em contas públicas Amir Khair considera “aparentemente baixo” o investimento de 1% na atenção básica. “Se a atenção básica é bem atendida, a demanda por tratamentos sofisticados é menor”, explica. Ele diz que, quando o paciente trata de problemas em um centro de saúde, evita o agravamento das enfermidades sem a necessidade de atendimento em hospitais, que geralmente envolvem exames mais caros.

A falta de recursos causa problemas no dia a dia dos hospitais. Na Santa Casa de Belo Horizonte, as cirurgias pediátricas e os partos foram reduzidos. As dívidas do Estado com a unidade de saúde ultrapassam R$ 33 milhões. “A gente perde qualidade na assistência, não faz a modernização de equipamentos e atrasa o pagamento de fornecedores, que passam a vender mais caro e sem prazo”, afirma o diretor de finanças, recursos humanos e relações institucionais do grupo Santa Casa, Gonçalo de Abreu Barbosa. Ele informa que a instituição precisa recorrer a empréstimos bancários para não fechar. “Estamos trabalhando sem contar com o Estado. O banco cobra juros e não perdoa, mas é o jeito para continuar funcionando”, diz.

A presidente da Fundação Hospitalar do Estado (Fhemig), Vânia Cunha, diz que a situação dificulta a contratação de obras para reforma do João XXIII e João Paulo II. “Em função da crise, a gente esbarra na dificuldade de habilitação de prestadores de serviço”, diz. No mês passado, o Hospital Júlia Kubitschek chegou a suspender, temporariamente, a realização de cirurgias eletivas por falta de materiais, como luvas. Segundo Vânia, a situação já foi resolvida.

A SES afirmou que o Estado enfrenta crescente déficit financeiro e que, devido à crise, é preciso priorizar despesas mais sensíveis aos recursos estaduais, como pagamento de prestadores de serviços de saúde, manutenção de hospitais e rede de urgência e emergência. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte, a falta de repasses do Estado “traz sérias dificuldades na execução de políticas e sobrecarrega o Tesouro municipal”.

Judicialização gera conflito para juízes

Além da crise financeira pela qual o Estado passa, o alto índice de pessoas que vão à Justiça para garantir tratamentos médicos e remédios, ainda não disponíveis no Sistema único de Saúde (SUS), impacta negativamente o sistema. A constatação foi feita nessa quarta-feira (11) pela desembargadora do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) Alice de Souza Birchal, em reunião de prestação de conta do Estado sobre gastos com a saúde na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

Sobre admin

Você pode Gostar de:

DUÍLIO ELEITO PREFEITO DE SETE LAGOAS – Duílio de Castro vence as eleições em Sete Lagoas com 54.90%

O prefeito e candidato do PATRIOTA Duílio de Castro foi eleito prefeito de Sete Lagoas …

14 Comentarios

  1. Cavernous dysfunction (ED) is the relentless inability to accomplish or hold an hard-on sufficient for acceptable intimate carrying into
    action.1 According to information from the Massachusetts Male Ageing Study, up to 52%
    of workforce ‘tween the ages of 40 and 70 are stirred by ED.2 Founded on findings from the 2001–2002 Political
    unit Wellness and Sustenance Examen Study (NHANES),
    it is estimated that 18.4% of workforce in the U.S. World Health Organization are
    20 long time of historic period and old induce ED. http://lm360.us/

  2. What’s up colleagues, pleasant article and pleasant urging commented at this
    place, I am genuinely enjoying by these. https://www.azhydroxychloroquine.com/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

sete + 10 =