Página Inicial / Economia / Oposição vai jogar duro contra Pimentel e deverá obstruir pauta na ALMG

Oposição vai jogar duro contra Pimentel e deverá obstruir pauta na ALMG

 

Vem aí dias difíceis e complicados para o governador Fernando Pimentel (PT), que deverá encontrar muitas dificuldades neste ano, com o bloco de oposição e até mesmo com parte de sua base aliada na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). A falta de pagamento de emendas parlamentares, a dívida do Estado com os municípios e o salário do funcionalismo sendo pago de forma escalonada são alguns fatores que podem atrapalhar Pimentel neste instante em que ele pretende tentar a reeleição. Se, de um lado, a oposição utiliza esses fatores como munição para colocar em dúvida a gestão do petista, em outra frente, deputados aliados repensam até que ponto vale ou não apoiar o petista.

O bloco da oposição fará jogo duro para emperrar a pauta na casa e dificultar a vida de Pimentel

 

A expectativa é que a oposição na Assembleia utilize o plenário da Casa para criticar o governador. O líder do bloco de oposição, Gustavo Corrêa (DEM), disse nos últimos dias que este ano será de embates políticos na Casa e que vão mostrar o “desgoverno” de Pimentel. Na última semana, a oposição fez a primeira ofensiva, quando eles apresentaram um requerimento pedindo a instalação de uma comissão extraordinária no Legislativo para promover um acerto de contas entre a administração estadual e os municípios mineiros. Segundo cálculos da Associação Mineira de Municípios (AMM), o débito com as cidades chega a R$ 3,6 bilhões.

Além disso, o grupo anunciou obstrução por tempo indeterminado para pressionar Pimentel a apresentar uma solução para os gestores municipais, acertar as contas com os institutos de previdência do funcionalismo e colocar em dia os salários dos servidores.

Parte da base aliada acrescenta a esse quadro a falta de pagamento de todas as emendas parlamentares que foram indicadas ainda em 2016 para o Orçamento de 2017. Cada um dos 77 parlamentares da ALMG tem direito, por ano, R$ 1,5 milhão em emendas parlamentares.

Parlamentares que compõe a base destacam que, diante da falta de pagamento de emendas e das ações impopulares do Executivo, os trabalhos na Casa devem se concentrar em votações de projetos de deputados nas comissões temáticas. “É uma das formas de mostrar para o eleitorado o nosso trabalho, já que não tem como enviar dinheiro para as cidades e os trabalhos no plenário serão obstruídos pela oposição”.

O líder de governo na Casa, Durval Ângelo (PT), declarou que seria interessante instaurar na Assembleia uma comissão para estudar os débitos de todos os governos nos últimos dois anos. Ele diz que Pimentel não é o primeiro a atrasar o pagamento do ICMS – que hoje estaria em dia, segundo o líder do governo –, sendo que isso também teria ocorrido nos governos de Eduardo Azeredo e Aécio Neves, ambos do PSDB. Ainda segundo ele, o petista assumiu o Estado já com atrasos em repasses da saúde e do transporte escolar aos municípios.

 

Sobre admin

Você pode Gostar de:

Milhares de fiéis participaram da Festa de Santa Helena na serra em Sete Lagoas

  No domingo, 06, a população de Sete Lagoas e região estiveram presentes na tradicional …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *