segunda-feira ,11 dezembro 2017
Página Inicial / Caso de Polícia / Segundo a polícia, festas com orgias aconteciam também em Sete Lagoas e Corinto

Segundo a polícia, festas com orgias aconteciam também em Sete Lagoas e Corinto

O sítio no bairro Vianópolis, em Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte, onde aconteceu uma festa que terminou com as mortes de duas adolescentes, Saila, 16, e Aline, 17, na sexta-feira passada, não era o único endereço das orgias entre adolescentes, políticos e poderosos. Na quarta-feira (22), o delegado Rodrigo Rodrigues, responsável pela investigação, informou que, ao menos, outros dois imóveis – um sítio em Corinto e um Sete Lagoas, ambos na região Central do Estado – podem ter recebido esse tipo de festa.

Lúcio Rodrigues Neto é o único preso até agora pelos crimes.

 

Nas últimas semanas, outros dez encontros foram realizados nos imóveis entre os homens e as garotas com idades entre 15 e 18 anos. As meninas eram aliciadas por uma mulher identificada como Andreia e pelo marido dela, Waldisley Quenupe de Souza, o Wal. Todos moravam no bairro Maria Conceição, em Contagem, na região metropolitana.

Um suspeito dos assassinatos foi preso na terça-feira e a polícia ainda procura outros três.

Proprietários. A Polícia Civil ainda investiga de quem são os sítios em Sete Lagoas e Corinto. Em relação ao imóvel de Betim, o proprietário já foi identificado, e a corporação descartou o envolvimento dele nas orgias.

“O dono do imóvel mora em Belo Horizonte e usava o local para passeio com a família. O homem que prestava serviços para ele era quem oferecia o espaço para as festas. Ele se apresentava como proprietário do local. Não cobrava valor de aluguel, mas também participava dos eventos”, afirmou o policial.

Sítio onde havia orgias envolvendo adolescentes fica na divisa entre Betim e Esmeraldas.

Dinheiro de programa teria desaparecido

O desentendimento entre dois homens que participavam da festa e as três adolescentes – as duas mortas e uma que foi baleada – começou antes mesmo que elas se negassem a manter relações sexuais com a dupla, segundo a Polícia Civil.

O delegado Rodrigo Rodrigues explica que Andreia (a aliciadora) também fazia programas sexuais e cobrou R$ 70, mas o dinheiro sumiu. “Começou uma discussão para saber quem tinha pegado. Esses dois homens eram os únicos desconhecidos no evento e entraram em atrito com as meninas”, disse ele.

 

Sobre admin

Você pode Gostar de:

Câmara Municipal de Pedro Leopoldo diz ser contrária a cobrança de pedágio na MG-424

A Câmara Municipal de Pedro Leopoldo é totalmente contrária à cobrança de pedágio na MG-424, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *